Divisão de Investigação e Extensão

 

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS NÁUTICAS

DIVISÃO DE INVESTIGAÇÃO E EXTENSÃO

 

 

 

 

 

REGULAMENTO DOS TRABALHO DE FINAL DE LICENCIATURA

 

 

 

 

 

 

 

Maputo, 2018

 

SUMÁRIO

  1. PREÂMBULO.. 2

SECÇÃO I. 3

DISPOSIÇÕES GERAIS. 3

SECÇÃO II. 4

CONDIÇÕES DE ACESSO AO TRABALHO DE LICENCIATURA.. 4

SECÇÃO III. 6

DAS RESPONSABILIDADES. 6

SECÇÃO IV.. 9

CONDIÇÕES E PRAZOS DE ENTREGA DA MONOGRAFIA.. 9

SECÇÃO V.. 11

APROVAÇÃO DA MONOGRAFIA PARA A DEFESA.. 11

SECÇÃO VI. 12

NORMAS, PROCEDIMENTOS E FORMAS DE AVALIAÇÃO DOS TRABALHOS DE LICENCIATURA   12

SECÇÃO VII. 12

FRAUDE ACADÉMICA.. 12

SECÇÃO VIII. 14

PROVAS DE DEFESA DO TRABALHO DE LICENCIATURA.. 14

SECÇÃO IX.. 15

DEPÓSITO DO TRABALHO DE LICENCIATURA NA ESCN.. 15

ANEXOS. 16

 

 

 

 

 

 

1.      PREÂMBULO

 

A Escola Superior de Ciência Náuticas (abreviadamente designada por Escola Náutica) é uma instituição nacional de ensino superior politécnico público vocacionada na formação de quadros superiores da Marinha Mercante e da indústria em geral, em concordância com os padrões estabelecidos pela IMO (International Maritime Organization), através da convenção STCW 78/95 (International Convention on Standards of training, Certification and Watchkeeping for Seafares) e Emendas de 2010 e pela lei do Ensino Superior (Lei nᵒ 27/2009).

 

Foi criada para garantir a formação de técnicos superiores para a indústria marítima, capazes de produzir, aplicar e difundir criadoramente a cultura, a ciência e as tecnologias marítimas ao serviço de desenvolvimento do país.

 

Para uma melhor organização e orientação dos estudantes no fim dos seus cursos, a Escola Superior de Ciência Náuticas elaborou o presente documento normativo, cujo cumprimento é obrigatório para todos os cursos ministrados na instituição.

 

O documento comporta um conjunto de regras e procedimentos que devem ser obedecidas pelos estudantes elegíveis à culminação do curso.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SECÇÃO I

DISPOSIÇÕES GERAIS

 

Artigo 1

Âmbito de Aplicação

O presente regulamento aplica-se ao processo de culminação de estudos a todos os estudantes dos cursos de graduação da Escola Superior de Ciência Náuticas.

 

Artigo 2

Definições

  1. Trabalho Final de Licenciatura é a forma de culminação do processo de aprendizagem formal do ciclo de estudos de licenciatura, funcionando simultaneamente como revelador e síntese das capacidades exigidas nos planos de estudos e estabelecendo uma relação inter e multidisciplinar com as diferentes áreas científicas que compõem o currículo abordando um problema de pesquisa, devidamente delimitado, sob a orientação de um supervisor/tutor. Nas referências que se seguem, o Trabalho Final de Licenciatura será designado apenas por Trabalho de Licenciatura.

 

  1. O Trabalho de Licenciatura pode ser desenvolvido a partir de uma Investigação científica ou Estágio profissional. Integra o currículo e culmina com a submissão de um relatório escrito e com apresentação oral e defesa.

 

  1. Relatório é o documento que relata formalmente os resultados ou progressos obtidos em investigação de pesquisa ou que descreve a situação de uma questão técnica ou científica.

 

  1. Projecto de Trabalho de Licenciatura é o documento que apresenta o plano para o desenvolvimento de um trabalho. Esclarece o objectivo principal e o método como será realizado o trabalho, fornecendo todos os elementos importantes para julgar a sua importância, pertinência e suficiência.

 

SECÇÃO II

CONDIÇÕES DE ACESSO AO TRABALHO DE LICENCIATURA

 

Artigo 3

Inscrições

 

  1. A inscrição na disciplina de Trabalho de Licenciatura é permitida somente aos estudantes que tenham frequentado e aprovado a todas outras disciplinas curriculares. É também permitida a inscrição a estudantes que frequentam o último semestre dos cursos da Escola Náutica se o chefe do Departamento assim o comunicar.
  2. Em conformidade com o no 1 do presente artigo, a inscrição na disciplina de Trabalho de Licenciatura tem lugar no início de cada semestre lectivo, no período estipulado pelo Calendário Académico da Escola Superior de Ciências Náuticas.
  3. O estudante pode realizar quantas inscrições forem necessárias ao Trabalho de Licenciatura desde que não exceda o período máximo previsto pelo Regulamento Pedagógico e de avaliação, para a conclusão do curso.

 

Artigo 4

Temas do Trabalho

 

  1. O estudante que estiver nas condições previstas no artigo 3 e que pretenda culminar o nível de Licenciatura, deve propôr o problema e o tema do seu Trabalho no fim do penúltimo semestre curricular ao Chefe de Departamento Académico (DA) que o encaminhará à Comissão Científica do respectivo Departamento.
  2. Os problemas e os temas a serem propostos podem também advir de:
    1. Projectos de investigação;
    2. Empresas/Instituições públicas/privadas;
    3. Propostas dos DA’s.
  3. Compete a Comissão Científica do Departamento analisar, aprovar ou recomendar uma revisão do tema proposto num prazo máximo de 15 (quinze) dias.
  4. Os temas devem ser apresentados sob forma de projecto de Trabalho com a devida fundamentação;
  5. O projecto do Trabalho de Licenciatura, deve abordar de forma resumida o trabalho que se pretende realizar e a sua relevância e não deve ultrapassar 10 páginas, respeitando a estrutura do guião do Projecto Trabalho de Licenciatura;
  6. A mudança de tema e/ou opção é da responsabilidade do estudante e está condicionada à satisfação dos requisitos indicados no artigo 3 do presente regulamento.

 

Artigo 5

Supervisão do Trabalho

 

  1. O Trabalho de Licenciatura é elaborado sob supervisão de um docente ou de um especialista na área, interno ou externo à Escola Náutica, aprovado pelo Chefe do Departamento, ouvido o parecer da Comissão Científica do Departamento.
  2. O estudante que escolha um supervisor externo deverá ter um co-supervisor interno, de modo a que se garanta o cumprimento escrupuloso dos regulamentos internos da Escola Náutica.

 

Artigo 6

Mudança do Supervisor

  1. A mudança de supervisor do Trabalho de Licenciatura poderá ocorrer por iniciativa quer do estudante quer do supervisor;
  2. A mudança do supervisor deverá ser feita por meio de um requerimento dirigido ao Chefe do DA, fundamentando os motivos.

 

 

 

 

 

 

SECÇÃO III

DAS RESPONSABILIDADES

 

Artigo 7

Funções do Supervisor

 

  1. As funções do supervisor são apenas de orientação do trabalho por forma a valorizar a independência do trabalho do estudante.
  2. O Supervisor deve:
  3. Conhecer e respeitar o Regulamento do Trabalho de Licenciatura;
  1.  Disponibilizar tempo para consultas e fornecer ao estudante as orientações necessárias para a elaboração do trabalho;
  2. Apoiar na identificação das fontes para revisão bibliográfica;
  3. Verificar o cumprimento do plano de trabalho, introduzindo atempadamente as correcções necessárias;
  4. Dar o seu parecer em carta fechada sobre o Trabalho a ser entregue à Comissão Científica com uma nota de classificação quantitativa do Trabalho;
  5. O Supervisor deve observar a correspondência entre o Trabalho realizado e o seu projecto;
  6.  Observar os métodos científicos de análise aplicados e a resolução dos problemas;
  7. Incentivar a capacidade criadora, originalidade, independência, iniciativa e habilidade do estudante;
  8. Manter o Chefe do Departamento informado sobre o progresso do trabalho;
  9. Observar a capacidade do estudante em aplicar os conhecimentos adquiridos durante o período de estudo e de adquirir individualmente novos conhecimentos.

 

 

 

 

 

Artigo 8

Deveres do Supervisando

 

  1. É de carácter obrigatório a comparência do(s) estudante(s) no(s) encontro(s) marcado(s) pelo(s) respectivo(s) Supervisor(es).
  2. É dever do estudante:
  1. Acolher, em tempo, as sugestões e as correcções possíveis durante o processo de elaboração do Trabalho de Licenciatura;
  2. Ser criativo;
  3. Cumprir os prazos dados pelo supervisor;
  4. Apresentar as suas inquietações relacionadas com o trabalho;
  5. Revelar capacidade de interpretação e argumentação;
  6. Participar nos seminários organizados pelo Departamento para a apresentação do estado de evolução do Trabalho de Licenciatura;
  7. Realizar o trabalho de forma honesta e cuidadosa.
  8. Aplicar métodos de investigação científica na pesquisa de soluções para os problemas colocados pelo Tema.
  9. Aplicar os conhecimentos adquiridos durante o curso e demonstrar capacidade de investigação e inovação.
  10. Submeter o relatório final do Trabalho de Licenciatura, corrigido e assinado pelos membros do júri, em formato digital no departamento, preferivelmente em PDF e em CD ou DVD.

 

Artigo 9

Responsabilidades do Departamento Académico

 

  1. Realizar atempadamente contactos com os docentes de forma a sensibilizá-los para a supervisão dos trabalhos;
  2. Nomear os supervisores, ouvida a Comissão Científica do Departamento;
  3. A Comissão Científica do Departamento será responsável pela aprovação dos temas dos Trabalhos de Licenciatura.

 

 

SECÇÃO IV

CONDIÇÕES E PRAZOS DE ENTREGA DA MONOGRAFIA

Artigo 10

Condições de entrega do Trabalho de Licenciatura

 

  1. A versão definitiva do relatório do Trabalho de Licenciatura deve ser entregue, aos respectivos Departamentos, após aprovação do supervisor.
  2. O Departamento só recebe o relatório do Trabalho de Licenciatura dos estudantes aprovados em todas as disciplinas curriculares dos respectivos cursos.
  3. O número de exemplares do Trabalho de Licenciatura a ser entregue é de 4.
  4. No acto da entrega, o estudante deve portar consigo dois termos de entrega do relatório do Trabalho de Licenciatura, que serão assinados pelo assistente do DA. Após assinados, um dos termos de entrega deverá ficar na posse do DA.
  5. O Departamento deve, posteriormente, encaminhar os relatórios dos Trabalhos de Licenciatura entregues pelos estudantes à sua Comissão Científica.

 

Artigo 11

Prazo de Entrega do relatório do Trabalho de Licenciatura ao Departamento

 

  1. Cada estudante deve submeter a sua proposta de tema e problema de pesquisa no fim da segunda/terceira semana do início das aulas do primeiro semestre do quarto ano.
  2. No fim do semestre o estudante deverá entregar o Projecto de Trabalho de Licenciatura como forma de validação da nota média da disciplina de Metodologias de Investigação Científica (MIC).
  3. Só aprovará na disciplina de MIC caso o projecto seja considerado ter nota positiva e com todas as correcções efectuadas.
  4. Após a aprovação Projecto de Trabalho de Licenciatura, o estudante deve apresentar um plano de trabalho ao supervisor num período máximo de uma semana após o início de semestre subsequente.
  5. O prazo normal para a conclusão do Trabalho de Licenciatura é de um semestre lectivo após a aprovação do Projecto de Trabalho de Licenciatura. O estudante que não tenha submetido o relatório até a data limite reprova à disciplina Trabalho de Licenciatura.
  6. O estudante pode solicitar ao Chefe do Departamento, até duas semanas antes do fim do prazo de entrega do relatório, a prorrogação do prazo de realização do Trabalho de Licenciatura.
  7. A decisão sobre a prorrogação do prazo de entrega do relatório será tomada uma vez ponderadas as razões evocadas pelo estudante e se julgadas procedentes, devendo para tal ter no mínimo um parecer favorável do supervisor.
  8. A prorrogação do prazo de entrega do relatório não pode ultrapassar o período de 3 meses.
  9. A reprovação obriga o estudante a fazer um novo projecto, podendo no entanto continuar com o tema anterior nas seguintes condições cumulativas:
  10. Apenas ter reprovado uma vez com esse tema;
  11. O trabalho estar, na opinião do supervisor, bastante adiantado ou o tema ser de grande interesse para a empresa/instituição que o solicitou e as condições para a sua conclusão em tempo útil serem substancialmente diferentes das que levariam a sua reprovação;
  12. O estudante obrigado a mudar de tema está sujeito às mesmas condições de disponibilidade de tema e supervisor em relação aos estudantes que se inscrevem pela primeira vez.
  13. O estudante que não tenha concluído o trabalho no prazo acima referenciado, deverá renovar a sua inscrição no semestre subsequente, na Secretaria da Escola Náutica;
  14. A Renovação da inscrição para a realização do trabalho do fim do curso, está sujeita ao pagamento de uma taxa especial a ser fixada pelo Departamento de Administração e Finanças.

SECÇÃO V

APROVAÇÃO DA MONOGRAFIA PARA A DEFESA

 

Artigo 12

 

  1. A apresentação oral e defesa do Trabalho de Licenciatura é antecedida de uma pré-avaliação pelo Júri num período mínimo de 15 dias após a sua recepção;
  2. O Júri é composto por três membros, nomeadamente, o Presidente, o Oponente e o Supervisor;
  3. Os membros do Júri são nomeados pelo Director da Divisão Pedagógica sob proposta dos DAs;
  4. Os relatórios dos Trabalhos de Licenciatura, aprovados para a defesa, serão encaminhados para tal efeito;
  5. Os relatórios dos Trabalhos de Licenciatura, não aprovados após a avaliação do Júri, serão devolvidos aos respectivos estudantes para efeitos de correcção e melhorias;
  6. O estudante com o trabalho sujeito a correcção tem 30 dias para o fazer e submetê-lo novamente ao respectivo Departamento;
  7. O estudante que não cumprir com os números anteriores, reprova a disciplina.

 

 

 

 

 

 

 

SECÇÃO VI

NORMAS, PROCEDIMENTOS E FORMAS DE AVALIAÇÃO DOS TRABALHOS DE LICENCIATURA

 

Artigo 13

Normas, Procedimentos e Formas de Avaliação

 

  1. As normas, os procedimentos e as formas de avaliação dos Trabalhos de Licenciatura constam dos anexo 1, 2, 3, 9, 10 e 11.
  2. O relatório escrito tem um peso de 60% e a apresentação oral e defesa de 40% na classificação final.
  3. O conjunto de diretrizes gerais para a realização de citações em texto e referências bibliográficas nos trabalhos científicos da Escola Náutica devem respeitar, rigorosamente, o manual baseado no Publication Manual of the American Psychological Association, 6th edition[1], anexo a este Regulamento.

 

 

SECÇÃO VII

FRAUDE ACADÉMICA

 

Constitui fraude académica toda a manifestação que vise falsear os resultados da avaliação incluindo Plágio.

 

 

 

 

 

 

Artigo 14

Plágio

 

O Plágio traduz-se na:

  1. Apropriação indevida de obra intelectual de outrem ou de uma parte da obra sem citar e referenciar a fonte, portanto, assumindo como de sua autoria;
  2. Apresentação de qualquer tipo de trabalho académico (projecto de pesquisa, trabalho para a obtenção do grau de licenciatura, ensaio e outros) como próprio, mas que tenha sido escrito por outra pessoa.

 

Artigo 15

Sansões

 

Todas as situações de tentativa ou de fraude, detectadas, serão punidas com a anulação do elemento de avaliação em causa e divulgação do ocorrido comunidade estudantil, podendo o estudante inscrever-se no semestre subsequente ou ser expulso.

 

 

Artigo 16

Recurso ou Defesa do Estudante

 

  1. Notificado sobre qualquer uma das situações de fraude constantes do artigo 14.º, o estudante tem o mesmo direito à apresentação de um recurso num período de 5 dias úteis, contados a partir do dia da notificação.
  2. A não apresentação do recurso implica a validação da decisão tomada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SECÇÃO VIII

PROVAS DE DEFESA DO TRABALHO DE LICENCIATURA

 

Artigo 17

Defesa do Trabalho de Licenciatura

  1. A apresentação e defesa do Trabalho de Licenciatura é um acto público.
  2. As provas de defesa dos Trabalhos de Licenciatura serão prestadas perante um Júri.
  3. A composição do Júri e a data da defesa serão tornadas públicas, 15 dias antes da data da Defesa.

 

Artigo 18

Duração da Defesa

O acto da defesa tem uma duração de até 55 minutos, devendo incluir as seguintes fases:

  1. Leitura do anexo 12 (3 minutos);
  2. Considerações do Supervisor (5 minutos);
  3. Apresentação oral do trabalho (15 minutos);
  4. Colocação de questões pelos membros do Júri, defesa do Trabalho e respostas do(a) Candidato(a) (25 minutos);
  5. Intervalo e deliberação da nota pelos membros do Júri (5 minutos).
  6. Leitura da acta (2 minutos).

 

Artigo 19

Aprovação

  1. Considera-se aprovado o estudante cuja classificação, no trabalho de defesa, seja igual ou superior a dez (10) valores.
  2. A nota do Trabalho de Licenciatura é dada a conhecer ao estudante após a deliberação do júri.

 

 

 

SECÇÃO IX

DEPÓSITO DO TRABALHO DE LICENCIATURA NA ESCN

 

Artigo 20

Depósito do TL

  1. Após a apresentação e aprovação, o estudante tem um período máximo de 30 dias para incorporar as correcções sugeridas pelos membros do Júri;
  2. Após a apresentação e aprovação, o graduado deverá entregar um CD ou DVD com a Monografia e 3 cópias físicas, assinadas por todos os membros do júri, do respectivo Departamento.

 

SECÇÃO X

DISPOSIÇÕES FINAIS

Artigo 21

Monitoria da Aplicação das Normas para os Trabalhos de Licenciatura

O Departamento de Coordenação das Actividades Científicas é responsável pela correcta aplicação das normas constantes deste documento;

 

Artigo 22

Casos Omissos

Todos os casos omissos ou duvidosos serão resolvidos por Despacho da Directora-Geral da Escola Superior de Ciências Náuticas.

 

Artigo 23

Entrada em vigor

O presente Regulamento entra em vigor imediatamenteapós a sua aprovação

 

 

Maputo, Janeiro de 2017

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ANEXOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS NÁUTICAS

DIVISÃO DE INVESTIGAÇÃO E EXTENSÃO

 

 

 

 

 

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO PARA TRABALHO DE LICENCIATURA

 

 

 

 

 

Comissão Científica

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Maputo, Fevereiro de 2017

  1. A QUEM SE DEVE DIRIGIR?

Qualquer trabalho científico é dirigido a todos aqueles que se interessem pelo tema do trabalho, sejam estes académicos, profissionais da área ou de áreas afins. Portanto, a obra deve ser escrita correctamente obedecendo todasasregras normativas para a sua elaboração que, por sua vez, devem ser claras e concisas para o proponente da obra.

 

  1. COMO SE DEVE REDIGIR?

O trabalho científico é redigido usando linguagem técnica, clara, simples e correcta, pelo que, ao proponente obriga-se a:

  • Observar a regra da concisão(evitar períodos longos e fazer parágrafos com frequência);
  • Respeitar a regra da precisão (usar os termos e conceitos com propriedade e explicá-los aquando da sua primeira utilização);
  • usar adequadamente a pontuação evitando o sinal de reticências (apenas para enumerações não concluídas) e os pontos de exclamação;
  • Predominar a regra da impessoalidade (utilizar o plural majestático “nós” em vez de “eu”)
  • não colocar artigos antes dos nomes próprios dos autores citados, gerando uma falsa e pretensiosa impressão de familiaridade;
  • não aportuguesar nomes de baptismo estrangeiros a não ser os sancionados pela tradição (ex: Shuntar);
  • Observar a regra de bom senso (não usar calão ou expressões da gíria popular).

 

  • NOTAS DE RODAPÉ

As notas de rodapé (ou de fim de página) servem para:

  • acrescentar indicações bibliográficas de reforço a um assunto discutido no texto;
  • fazer referências a outras fontes a que se remete para confronto;
  • introduzir urna citação de reforço que no texto viria perturbar a leitura;
  • ampliar e/ou corrigir afirmações que se fizeram no texto;
  • fornecer a tradução de uma citação que foi feita em língua estrangeira;
  • pagar dívidas, ou seja, agradecer contributos teóricos de outros.

 

  1. FORMATAÇÃO DO TEXTO

O aspecto do texto é importante no que diz respeito às margens, aos parágrafos, aos sublinhados, aos títulos dos capítulos, aos espaços entre linhas; às abreviaturas e siglas, aos algarismos, à pontuação e acentuação.

Existem algumas normas gerais que devem ser consideradas na redação de um texto para o tornar atraente, mas muito depende de quem escreve, especialmente no que diz respeito à manutenção de um critério uniforme em todo o trabalho.

  1. Capa em cartolina branca, conforme ANEXO 1.
  2. O texto de um trabalho académico processado em computador deve utilizar caracteres de tamanho doze (para o tipo de letra Times New Roman que deverá servir como referência) com 1,5 espaços entre as linhas. Os espaços que separam capítulos e subcapítulos devem ser maiores;
  3. As margens devem ser de 3 cm ao alto e à esquerda e de 2,5 cm em baixo e à direita. Nenhum elemento contido no texto deve ultrapassar essas margens. O texto deve estar justificado a esquerda e a direita;
  4. Por convenção, a única cor admitida num trabalho (salvo trabalhos na área das expressões visuais, claro está) é a cor preta, excepção feita aos gráficos e imagens que podem conter colorações suaves – a regra de ouro, nesta e noutras matérias, é a da sobriedade;
  5. A paginação deve ser feita na margem inferior do lado direito das páginas. A numeração será romana até à lista de abreviaturas (caso haja) e árabe a partir do início do texto (Introdução);
  6. O relatório do Trabalho de Licenciatura pode ser divido em Capítulos e Subcapítulos;
  7. Os títulos dos capítulos devem aparecer centrados e escritos com MAIÚSCULAS, neste caso levam numeração romana. A Introdução e a Conclusão não devem ser antecedidas de qualquer numeração;
  8. Os subcapítulos ficam recolhidos em parágrafo e levam numeração árabe. Serão escritos com minúsculas. Desta forma, teríamos: I.1.; I.1.1.; I.2.; I.2.1.; I.1.1.; II.1.2.; II.1.3.; etc.;
  9. Os capítulos e subcapítulos devem ser escritos em negrito. Pode-se ainda prescindir da palavra “capítulo” quando se opta, exclusivamente, por uma numeração à qual se segue um título qualquer;
  10. Todos os documentos apresentados nos anexos e apêndices devem ser sempre identificados com um número de série romano ou árabe, um título e a referência completa da sua fonte (quando aplicável).
  11. Usa-se o itálico para escrever palavras estrangeiras (ou do latim) que não se traduzem para português, como por exemplo sine qua non, praxis, know how, background, versus, staff, performance, feedback, boom, software, hardware,;
  12. As abreviaturas podem ser usadas desde que se anexe um quadro para as descodificar (Índice de Abreviaturas). Quando o número de abreviaturas utilizado não justificar a construção de um quadro, deve-se, aquando da primeira utilização, escrever a abreviatura dentro de parênteses após a expressão que quer significar.
  13. O mesmo se refere às siglas, que, ou são sempre escritas com pontos entre as letras ou sempre sem pontos. Exemplo: UA ou U.A. para designar a UniãoAfricana.
  14. As abreviaturas dos meses devem obedecer ao seguinte critério: escrevem-se somente as três primeiras letras de cada um deles, com excepção do mês de Maio que se escreve por inteiro;
  15. Os sublinhados devem ser usados com parcimónia para destacar conceitos ou ideias, sabendo que o seu exagero lhes retira a função de destaque e estraga o aspecto do texto. Pela mesma razão convém que não sejam extensos;
  16. Os algarismos utilizados para exprimir quantidades devem ser usados do seguinte modo: escrever o algarismo árabe para valores inferiores a 9 e escrevê-los por extenso para valores iguais ou superiores a dez; as datas escrevem-se sempre com os algarismos árabes (como 2003) e os séculos sempre com algarismos romanos (séc. XX);
  17. As unidades de medidas devem estar no Sistema Internacional de Unidades (SI).
  18. As equações e as fórmulas devem ser colocadas numa nova linha e centradas em relação ao texto. Se necessário as fórmulas devem ser referenciadas com numeração.

 

Exemplo:

X + Y = Z (1)

  1. A pontuação e a acentuação devem ser rigorosamente cumpridas, tendo em conta que Moçambique ainda não ratificou o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa em vigor.
  2. O material gráfico e as ilustrações devem ser escritos em MS Word, com as seguintes configurações:
  • fonte Times New Roman, tamanho10;
  • duas opções de largura (8,5 cm ou 16 cm);
  • a preto e branco ou a cores;
  • devem apresentar-se incorporados ao longo do texto;
  • o título de tabelas deve ser apresentado em Times New Roman, tamanho 10, a negrito, por cima da tabela. O mesmo deve acontecer com a fonte de onde foi retirada a tabela, ficando esta localizada em baixo da tabela;
  • a legenda de figuras e gráficos bem como a fonte de onde foram retirados deve ser apresentada em Times New Roman, tamanho 10, a negrito, por baixo da figura ou gráfico;
  • numeradas de forma sequencial em numeração árabe diversa para tabelas e figuras.

 

  1. Os relatórios a submeter a aprovação deverão ter, excluindo eventuais anexos, elementos pré-textuais e pós-textuais, um minímo de 40 e um máximo de 50 páginas.

 

 

 

 

 

  1. ESTRUTURA DOS TRABALHOS

A estrutura de um trabalho pode variar em função do teor do mesmo. Assim, uma dissertação, tese e monografia diferem-se, em alguns aspectos, em relação a um projecto de trabalho, a um relatório e a um ECL. Existem, não obstante, alguns elementos que figuram em todos os trabalhos e que, como tal, devem ser conhecidos para a sua adequada utilização.

  • Capa do trabalho, na qual figuram alguns elementos indispensáveis como: (entidade, título e subtítulo, teor do trabalho, local e data da realização);
  • Folha de rosto: é folha em tudo igual à capa mas, que inclui, geralmente, elementos identificadores adicionais tais como: o grau, a disciplina, o autor, o orientador, o âmbito no qual o trabalho foi realizado;
  • Agradecimentos: é uma nota de agradecimento a todos aqueles que colaboraram na elaboração do trabalho (desde o orientador aos sujeitos inquiridos, passando pelos revisores do texto, facultadores de documentação/informação, etc.);
  • Resumo, deverá conter, sucintamente, as questões/informações mais importantes que foram tratadas no trabalho, (deverá ser uma súmula dos objectivos, dos métodos utilizados, dos resultados alcançados, da discussão e das conclusões). Deve estar situado antes da introdução e antes do índice geral;
  • Índice, onde se discriminam os capítulos e subcapítulos, tal como aparecem no trabalho (indicação correcta das páginas, das palavras e da numeração constantes no texto). Constam, igualmente, do índice a lista das figuras e/ou das tabelas e gráficos utilizados no decorrer do trabalho e colocados em anexo, ou seja, após a colocação do índice geral seguem-se-lhe todos os outros índices necessários;

 

  • Introdução, contém: o tema devidamente especificado; os objectivos geral e específicos; a delimitação da abordagem (localização no tempo e no espaço histórico, geográfico ou cognitivo); as justificações; e o objecto, a formulação do problema; as hipóteses e variáveis; os pressupostos teóricos; a descrição dos métodos e técnicas utilizadas.

 

  • Corpo ou Desenvolvimento do Trabalho é a parte mais extensa do trabalho e deve conter o desenvolvimento de todas as ideias a que foi feita referência na introdução: a revisão da literatura; a definição de conceitos e de noções; a análise e a interpretação dos dados.

 

  • Conclusão: traduz a súmula completa, clara e objectiva de todos os dados, pormenores e achados importantes colhidos e discutidos durante a elaboração do trabalho. As conclusões são elaboradas de acordo com os objectivos específicos traçados para responder o objectivo geral. Deve ainda sugerir novas áreas de reflexão e apontar as lacunas deixadas pelo trabalho.

 

  • Bibliografia: trata-se da enumeração completa, pela habitual ordem alfabética de apelidos, de todos os materiais directa ou indiretamente utilizados na pesquisa. Pode ser dividida segundo os diversos tipos de fontes consultadas: Fontes manuscritas e Fontes impressas; Bibliografia Geral e Bibliografia Específica.
  • Apêndice(s): incluem-se aqui todos os materiais elaborados ou comentados pelo investigador, tais como quadros, tabelas, ilustrações, gráficos, organogramas, … Em suma, todos os materiais utilizados no decorrer da elaboração do trabalho mas que, parcial ou totalmente, são da responsabilidade do autor.

 

  • Anexo(s): inserem-se aqui os documentos auxiliares (não elaborados pelo autor) que serviram de base ao estudo ou facilitam o processo de compreensão do(s) objectivo(s) da pesquisa.

 

Tendo em conta os objectivos que presidiram à presente recolha de informação e como forma de facilitar a consulta, apresenta-se, em anexo, de um modo esquemático, a estruturação que, convencionalmente, mais se adopta em Publicações ou Trabalhos Científicos, Teses, Monografias e Dissertações, Projetos, Relatórios e Portefólios.

 

 

 

  1. ADVERTÊNCIAS FINAIS

 

Um trabalho não é um exercício de corte e colagem das ideias e palavras de outros autores e, como tal, não podem ser admitidos trabalhos que sejam mera cópia/recorte de outros. Quando em fase de conclusão, deve-se fazer uma revisão cuidadosa do texto para eliminar as gralhas e os erros (se se detectarem erros posteriormente à edição, deve-se anexar uma corrigenda ou errata). Tal revisão cuidadosa requer tempo, razão pela qual qualquer trabalho deve ser ultimado alguns dias antes da data marcada para entrega.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

American Psychological Association. (2010). Publication manual of the American Psychological Association (6ª ed.). Washington: Edição de autor.

Bell, J. (1997). Como Realizar um Projecto de Investigação. Lisboa: Gradiva Publicações. Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação: Uma Introdução à Teoria e aos Métodos. Porto: Porto Editora.

Carmo, H., & Ferreira, M. M. (1998). Considerações finais. In Metodologia da Investigação (pp.266-270). Lisboa: Universidade Aberta.

Eco, U. (1991). Como se faz uma tese em Ciências Humanas. Lisboa: Editorial Presença.

Fernandes, A J. (1993). Métodos e Regras para Elaboração de trabalhos Académicos e Científicos. Porto: Porto Editora.

Ferrari, A. T. (1982). A Redacção do Informe Científico. In Metodologia da Pesquisa Científica (pp.282-303). São Paulo: McGraw-Hill.

Frada, J. (1993). Guia Prático para elaboração e apresentação de Trabalhos Científicos (3ª ed.). Lisboa: Edições Cosmos.

Gil, A. C. (1995). O Relatório da pesquisa. In Métodos e Técnicas de Pesquisa Social (pp.191-201). São Paulo: Editora

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anexo 1- Modelo da capa

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS NÁUTICAS

(Times New Roman 15 negrito)

 

 

 

TÍTULO DO TRABALHO DE LICENCIATURA

Eventual sub-título

(Times New Roman 16 negrito)

 

 

 

Nome do candidato

(Times New Roman 14 negrito)

 

 

 

 

Trabalho para a obtenção do Grau de Licenciatura em Engenharia Electrónica e de Telecomunicações

(Times New Roman 14 normal)

 

 

 

 

 

 

 

Local, mês e ano

(Times New Roman 14 normal)

Anexo 2- Modelo da Folha de Rosto

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS NÁUTICAS

DEPARTAMENTO DE RÁDIO

(Times New Roman 15 negrito)

 

 

 

TEMA

(Times New Roman 16 negrito)

 

 

 

SUPERVISOR (ES):

ENGº DIONÍSIO ALBERTO MACAVE

ENGº MOREIRA FERNANDES CESARINO NHABANGUE

(Times New Roman 14 negrito)

 

REALIZADO POR:

LUÍS AFONSO RAFAEL DE BARROS

(Times New Roman 14 negrito)

 

 

LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTRÓNICA E DE TELECOMUNICAÇÕES

(Times New Roman 14 normal)

 

 

Local, mês e ano

(Times New Roman 14 normal)

DECLARAÇÃO DE AUTORIA

 

Eu, Luís Paulo Massinga, declaro por minha honra que o presente trabalho é da minha autoria e nele observei os requisitos e recomendações da Escola Superior de Ciências Náuticas, concernentes à elaboração de trabalhos de investigação cientifíca.

Declaro ainda que este trabalho não foi apresentado em nenhuma outra instituição para obter qualquer grau académico.

 

 

 

 

 

Maputo, 09 de Setembro de 2016

______________________________________

Luís Paulo Massinga

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AGRADECIMENTOS

 

Deverão incluir-se nesta secção todos os agradecimentos a prestar às pessoas que, directa ou indirectamente, auxiliaram na realização do trabalho.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ANEXO 3

CONTROLO DA EXECUÇÃO DO TRABALHO DE LICENCIATURA

 

  1. O controlo da execução do TL é efectuado pelos supervisores através de encontros regulares com o estudante;
  2. Os encontros de trabalho do estudante com o(s) supervisor(es) da Escola Náutica não podem ser espaçados de mais de 15 dias. Exceptuam-se os casos em que o estudante e⁄ou os supervisores estejam impossibilitados de comparecer, por motivos justificados e devidamente notificados ao Chefe do Departamento;
  3. Para cada visita deverá ser sempre produzida uma acta conforme o modelo apresentado no Anexo 5. A acta deve ser assinada pelos supervisores e o pelo estudante;
  4. Caso se detectem situações anómalas como a falta constante aos encontros de trabalho ou atrasos injustificados em relação ao plano de trabalho, o estudante ficará imediatamente reprovado lançando-se esse resultado numa acta de exame. Caso estas situações ocorram posteriormente à época de exames, o Departamento deve elaborar uma acta de exame especial para a reprovação;
  5. Mensalmente a equipa de trabalho (supervisores e estudante) deve preencher o Relatório de Progresso constante no ANEXO 6;
  6. O supervisor principal deve manter a Comissão Científica do Departamento informada do progresso do estudante e de quaisquer situações anómalas que se verifiquem. Esta informação poderá ser feita através da cópia da acta de reunião ou do relatório de progresso;
  7. Cerca de dois meses após o início do TL o estudante deve fazer uma apresentação oral do problema e das vias consideradas para a sua resolução perante os supervisores, membros da Comissão Científica do Departamento, docentes e outros interessados;
  8. Se o TL estiver a decorrer normalmente, sem grandes alterações em relação ao plano de trabalho inicial (ou com alterações devidamente justificadas), o supervisor deverá indicar, em cerca de três meses após o início do TL, a data previsível da conclusão do mesmo;

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ANEXO 4

PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DO TRABALHO DE LICENCIATURA

 

  1. No fim da realização do Trabalho de Licenciatura e para efeitos de avaliação o estudante procederá à entrega ao Departamento de 4 exemplares do relatório, recebendo um termo com a indicação da data da entrega (Anexo 7). Na mesma ocasião, o estudante procederá a entrega do resumo do relatório do TL de acordo com o anexo 8.
  2. A avaliação do TL é feita:
  3. no relatório entregue pelo estudante (as normas para a apresentação do relatório estão contidas no Anexo 1).
  4. na apresentação oral do relatório e sua defesa perante um júri
  5. A avaliação do TL será feita em fichas próprias, ou com apoio delas, conforme se indica nos anexos: Anexo 9 e 10.
  6. O Chefe do Departamento indicará o oponente, em dois dias úteis, que poderá ser da Escola Náutica ou um técnico de fora da instituição.
  7. Os supervisores e o oponente deverão apresentar os seus pareceres sobre o relatório, por escrito, no prazo de quinze dias, após a recepção dos exemplares do relatório. Os pareceres devem conter uma análise crítica do trabalho e concluir se deve ser aceite ou se é necessário que seja revisto;
  8. Satisfeito o disposto no número 9 do presente artigo e sendo os pareceres positivos, o Chefe do Departamento proporá a data da defesa pública.
  9. Após confirmação da data da defesa pelo Director da Divisão Pedagógica, o Chefe do Departamento dará a devida publicidade ao evento, devendo existir um intervalo de uma a três semanas entre o anúncio da defesa e a sua realização;
  10. Caso algum dos pareceres seja negativo, o Chefe do Departamento informará o estudante das correcções a fazer, fixando nova data para a entrega. O prazo da nova entrega não deve exceder um mês.
  11. A publicidade constará de avisos a serem distribuídos e afixados nos departamentos Escola Náutica. O aviso deve conter as seguintes informações:
  12. curso;
  13. nome do estudante;
  14. titulo do trabalho;
  15. a data, hora e local da defesa;
  16. a composição do júri e
  17. terá como anexo o resumo do relatório do TL, entregue juntamente com o relatório.

 

  1. A defesa do TL só pode ser marcada uma vez o estudante tenha concluído com sucesso todas as disciplinas curriculares do curso.
  2. O júri, nomeado pelo Director da Faculdade, poderá ter de 4 a 5 elementos, devendo integrar:
    1. Director da Divisão Pedagógica;
    2. Chefe do Departamento;
    3. Os supervisores;

 

  1. O júri atribuirá uma classificação, de acordo com a escala em vigor na Escola Náutica tomando em consideração as componentes do relatório, da apresentação feita pelo candidato e da defesa (Anexo 11).
  2. O júri decidirá a classificação final por consenso, cabendo ao presidente do júri interpretar o consenso formado. Apenas será dado conhecimento público da classificação final atribuída, devendo os membros do júri considerar como confidencial o processo da deliberação.
  3. Para cada TL defendido será feita uma pauta de exame.
  4. O resumo do relatório apresentado pelo estudante será enviado para a Biblioteca da Escola Náutica para arquivo em ficheiro adequado.
  5. Para os trabalhos com a classificação de MUITO BOM será enviada uma cópia para a biblioteca da Escola Náutica.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ANEXO 5

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS NÁUTICAS

DEPARTAMENTO DE RÁDIO

 

TERMO DE ATRIBUIÇÃO DE TEMA DE TRABALHO DE LICENCIATURA

Referência do Tema:  Data:
1.      Tema:
2.      Descrição Sumária do Trabalho a Desenvolver

 

3.      Local de Realização:

 

  1. Supervisores
Nome Assinatura
Da Escola Náutica
De outra instituição
  1. Datas Chave
Entrega do Tema: Previsão de Conclusão:

 

Declaro que recebi o tema do Trabalho de Licenciatura na data acima indicada.

Nome:_____________________________ Assinatura:____________________

 

Maputo, ____ de _________ de 20__

Presidente da Comissão Científica                             Visto do Chefe do Departamento

__________________________                                ______________________________

ANEXO 6

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS NÁUTICAS

DEPARTAMENTO DE RÁDIO

 

ACTA DE ENCONTROS

Referência do Tema:  Data:
  1. Agenda
  1. Resumo do encontro
  1. Recomendações

 

4.      Data do encontro seguinte:

 

  1. Presenças
Supervisor
Co-supervisor
Estudante
Outros

ANEXO 7

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS NÁUTICAS

DEPARTAMENTO DE RÁDIO

 

RELATÓRIO DE PROGRESSO

Referência do Tema:  Data:
  1. Actividades Planificadas
Actividade Prazo Previsto
1.
2.
3.
  1. Controle de Execução
Actividade Data Estágio (%) Observações Rúbrica
 

1.

 

2.

3.      Indicação tentativa da data de conclusão do Trabalho de Licenciatura (4º encontro):
  1. Assinaturas
Supervisor
Co-supervisor
Estudante
Outros

 

ANEXO 8

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS NÁUTICAS

DEPARTAMENTO DE RÁDIO

 

TERMO DE ENTREGA DO RELATÓRIO

 

 

Declaro que o estudante finalista_____________________________________________,

entregou no dia ___/____/____, quatro cópias ddo relatório do seu Trabalho de Licenciatura com referência________________________________________________.

intitulado:_______________________________________________________________

_______________________________________________________________________

 

 

Maputo, _______de __________________de _______

 

 

Assistente do Departamento                                                     Chefe do Departamento

 

 

 

 

 

 

 

 

ANEXO 9

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS NÁUTICAS

DEPARTAMENTO DE RÁDIO

 

FICHA-RESUMO DO TRABALHO DE LICENCIATURA

 

Referência do tema: ______________________________________________________

 

Tema:__________________________________________________________________

 

Autor:__________________________________________________________________

 

 

Supervisores: ____________________________________________________________

________________________________________________________________________

 

 

RESUMO

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

ANEXO 10

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS NÁUTICAS

DEPARTAMENTO DE RÁDIO

 

LICENCIATURA EM _____________________________________________________

 

 

F1 – GUIA DE AVALIAÇÃO DO RELATÓRIO ESCRITO DO TRABALHO DE LICENCIATURA

 

 

Nome do estudante: __________________________________________________________

 

Tema:_________________________________________________________________________________________________________________________________________________

1. Resumo
1.1.Apresentação dos pontos chave no resumo (clareza,organização,correlação com o apresentado)  

1

 

2

 

3

 

4

 

5

Secção1 sub-total (máx:5)
2. Organização (estrutura) e explanação
2.1.Objectivos 1 2 3 4 5
2.2.Introdução, antecedentes e pesquisa bibliográfica  

1

 

2

 

3

 

4

 

5

 

6

 

7

 

8

 

9

 

10

2.3.Metodologias 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
2.4.Resultados, sua análise e discussão 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
2.5.Conclusões e aplicação dos resultados (recomendações)  

1

 

2

 

3

 

4

 

5

 

6

 

7

 

8

 

9

 

10

Secção 2 sub-total (máx:45)
3. Argumentação
3. 1.Criatividade e originalidade 1 2 3 4 5
3.2.Rigor 1 2 3 4 5
3.3.Análise crítica, evidência e lógica 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
3.4.Relação objectivos/métodos/resultados/conclusões  

1

 

2

 

3

 

4

 

5

3.5.Relevância 1 2 3 4 5
Secção3 sub-total (máx:30)
4. Apresentaçãoe estilo da escrita
4.1.Legibilidade e organização 1 2 3 4 5
4.2.Ilustração e qualidade das figuras e tabelas 1 2 3 4 5
4.3.Estilo da escrita (fluência do texto, uso da língua e gramática)  

1

 

2

 

3

 

4

 

5

4.4.Fontes bibliográficas (citação correcta, referências, etc) 1 2 3 4 5
Secção 4 sub-total (máx:20)

Total de pontos (max:100)                                                  Nota (=Total*0.2)

 

O ___________________________

Data:____/____/_______

ANEXO 11

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS NÁUTICAS

DEPARTAMENTO DE RÁDIO

 

LICENCIATURA EM _____________________________________________________

 

F2 – GUIA DE AVALIAÇÃO DA APRESENTAÇÃO ORAL E DEFESA

 

Nome do estudante: __________________________________________________________

 

Tema:_________________________________________________________________________________________________________________________________________________

1. Introdução
1.1.Apresentação dos pontos chave na Introdução (Contexto e importância do trabalho)  

1

 

2

 

3

 

4

 

5

 

6

 

7

 

8

 

9

 

10

Secção 1 sub-total (max:10)
2. Organização e explanação
2.1.Objectivos 1 2 3
2.3.Metodologia 1 2 3 4
2.4.Resultados, sua análise e discussão 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
2.5.Conclusões e aplicação dos resultados (recomendações)  

1

 

2

 

3

 

4

 

5

 

6

 

7

 

8

Secção 2 sub-total (max:25)
3. Estilo da apresentação
3. 1. Uso efectivo do tempo 1 2 3 4 5
3.2.Clareza, tom, vivacidade e entusiasmo 1 2 3 4 5
3.3.Uso e qualidade dos audio-visuais 1 2 3 4 5
Secção 3 sub-total(max:15)
4. Defesa
4.1.Exactidão nas respostas 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
4.2.Domínio dos conceitos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
4.3.Confiança e domínio do trabalho realizado 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
4.4.Domínio do significado e aplicação dos resultados  

1

 

2

 

3

 

4

 

5

 

6

 

7

 

8

 

9

 

10

4.5.Segurança nas intervenções 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Secção 3 sub-total (max:50)

 

Total de pontos (max:100) Nota(=Total*0,2)

 

O ______________________________________________________________________

 

 

Data:____/_____/_______

ANEXO 12

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS NÁUTICAS

DEPARTAMENTO DE RÁDIO

 

LICENCIATURA EM _____________________________________________________

 

 

 

F3 – FICHA DE AVALIAÇÃO GLOBAL

 

 

 

Nome do estudante:_________________________________________________________

 

Tema:_____________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

 

AVALIADOR CLASSIFICAÇÃO OBTIDA PESO
Relatório escrito (F1) N1= A = 0.6

 

Apresentação e defesa do trabalho (F2) N2= B = 0.4

 

 

CLASSIFICAÇÃO FINAL = N1*A+N2*B

 

 

 

OS MEMBROS DO JÚRI:

 

O Presidente do júri

 

O Oponente

 

Os Supervisores

 

 

Data:____/_____/_______

 

 

 

ANEXO 13

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS NÁUTICAS

DIVISÃO DE INVESTIGAÇÃO E EXTENSÃO

DEPARTAMENTO DE RÁDIO

 

 

Assunto: Acta da apresentação oral e defesa do relatório de Trabalho de Licenciatura (TL)

 

Aos quinze e dias do mês de Maio de dois mil e dezoito, pelas catorze horas, na sala trezentos e cinco da Escola Superior de Ciências Náuticas, decorreu a apresentação oral e defesa para a obtenção do grau de Licenciatura em Engenharia de Electrónica e de Telecomunicações, subordinado ao tema: Desenvolvimento de um sistema de controlo de estudantes na sala de aulas através do uso da Tecnologia RFID- Estudo de caso: Escola Superior de Ciências Nauticas. Estiveram presentes:……………………………………………………

 

O autor do trabalho: Edson Marley Vidigal ………………………………………………………………..

O presidente do júri: Eng. Jordão Canivete Massamba…………………………………………………

O Oponente Eng: Rafael Mendes………………………………………………………………………………

O supervisor: Eng. Lucas José Sábado Lima……………………………………………………………….

Docentes, estudantes, e convidados……………………………………………………………………………

A sessão, observou a seguinte sequência:……………………………………………………………………

Apresentação e exposição do estudante ……………………………………………………………………..

Apresentação das questões pelos membros do júri………………………………………………………

Respostas do estudante às questões colocadas……………………………………………………………..

Deliberação e divulgação da classificação de acordo com o quadro a baixo:…………………..

 

Relatório escrito ( 60% ) Apresentação oral e defesa ( 40% ) Média
     

 

 

Fim da sessão …………………………………………………………………………………………………………

A presente acta vai assinada por todos os membros do júri presentes na sessão……………….

 

O Supervisor                                   O presidente                                         O opontente

 

___________________            ___________________               ____________________

 

 

Diagrama resumo das etapas do TFL
1ª Fase
2ª Fase
3ª Fase
TFL – Trabalho Final de Licenciatura

 

PTFL – Projecto do Trabalho Final de Licenciatura

 

 

 

 

 

[1] American Psychological Association. (2010). Publication Manual of the American Psychological Association. Washington DC, USA: APA.